Quem acompanha a economia sabe que tudo relacionado ao setor gira em torno da tão falada TAXA SELIC. Por isso, desde sua queda histórica em 2019 muito tem se debatido a respeito, uma vez que o índice influencia diretamente nas movimentações imobiliárias e na economia como um todo.

Se você acompanha a economia brasileira e o mercado imobiliário ou tem um interesse mesmo que distante por esses setores, você com certeza já ouviu falar na Taxa Selic. Em julho do último ano seu corte alcançou o índice histórico de 6% ao ano e fez com que a já muito falada Selic virasse manchete em todos os lugares. Mas você sabe o que de fato ela representa e qual é sua influência na economia e na sua oportunidade de comprar um imóvel? Neste artigo a Reis Príncipe te explica tudinho! 

A Taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e de Custódia) trata-se do índice básico de juros do nosso país, sendo a principal ferramenta de política monetária praticada pelo Banco Central (BC). Nossos bancos utilizam essa variável para o financiamento de operações com durações diárias, lastreadas em títulos públicos federais. Por meio de seu sistema, o BC define o seu valor para que haja controle na negociação de títulos. De forma geral, ela é a fundação que sustenta o mercado financeiro em relação à compra e venda de títulos públicos federais – que são aqueles negociados entre bancos e investidores comuns.

Embora muita gente não saiba, a Selic está (muito) presente no nosso cotidiano, exercendo um poder imenso sobre nosso dia a dia: é ela que regula as taxas de poupança, cartão de crédito, crediário, financiamento, dentre muitos outros índices. A taxa Selic e a inflação estão intimamente ligadas e o Governo Federal utiliza essa variável como um instrumento de política econômica, visando evitar a perda do poder de compra da nossa moeda.

 De maneira geral, o BC aumenta ou diminui a taxa Selic para conter a inflação. Como? Funciona mais ou menos assim: quando o Banco Central aumenta a meta da Selic, os juros cobrados em operações de financiamento e empréstimo sobem, o que desestimula o consumo desenfreado e favorece a queda da inflação. Em contrapartida, quando há a diminuição da meta, o mercado fica aquecido em relação ao consumo, uma vez que as instituições financeiras tendem a uma taxa de juros acessível ao consumidor. Portanto, quanto menor a taxa, maior a motivação das pessoas para o consumo, o que gera uma previsão de demanda positiva para as empresas e, consequentemente, aumenta as vendas.

Mas como a Selic exerce influência na aquisição de um imóvel?

Bom, desde a queda da taxa no último ano, diversos setores vêm vislumbrando um período de retomada do consumo, principalmente no mercado imobiliário. Isso porque quando a Selic cai, a taxa de financiamento acompanha a queda, aumentando a demanda por crédito e as chances de adquirir um imóvel. O ciclo gerado também é simples: as construtoras tendem a gerar novos imóveis, portanto as imobiliárias têm mais opções em seu leque e as instituições financeiras ficam propensas a negociações que facilitam o crédito imobiliário. 

Quando o BC corta a taxa Selic para patamares mais baixos, ele influencia positivamente na economia e no setor imobiliário, visto que assim há um estímulo ao giro de negociações de imóveis e, a longo prazo, com o maior número de transações, há a valorização natural de nossas moradias. Portanto, jamais deixe de acompanhar esse índice, pois sua movimentação pode indicar o momento exato que deve investir na compra de um imóvel.

Em outubro de 2016, o Banco Central deu início a uma sequência de 12 cortes na taxa. Neste período, a Selic caiu de 14,25% para 6,5% ao ano. Já em julho do último ano, o Comitê de Política Monetária (COPOM) reduziu o índice em 0,5 ponto percentual, levando-a para 6% ao ano. Na primeira reunião deste ano, o COPOM cortou nossa taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual, fazendo com que ela caísse de 4,5% para 4,25% ao ano, o menor nível da história

E aí, gostou de aprender e entender um pouco mais sobre a nossa taxa básica de juros e de como ela influencia diretamente nosso poder de compra e o setor imobiliário?! Continue acompanhando a Reis Príncipe através do nosso blog e também nas redes sociais! 

Até a próxima!